Crescendo como Saumensch

Resenha | Como eu era antes de você

segunda-feira, maio 30, 2016 Julia Pinheiro 0 Comments


Como eu era antes de você escrito por Jojo Moyes e publicado aqui no Brasil pela Editora Intrínseca em 2013. O livro tem 318 páginas amareladas e ganhou uma continuação recententemente, o Depois de Você, e uma capa nova - a do filme - que você pode ver aqui. A história é narrada em primeira pessoa tendo grande parte o ponto de vista de Lou Clark, mas sendo pontilhado com alguns outros pontos de vista assinalados em alguns capítulos.

Ps.: com a estréia da adaptação se aproximando pretendo fazer alguns posts especiais sobre isso, então, esperem mais sobre a história por aqui.


O livro conta a história de como duas pessoas de mundos totalmente tem sua vida entrelaçada. 

Will Trainor tem 35 anos, era um empresário bem sucedido que viajava o mundo atrás de esportes radicais e tudo mais que a vida tinha a lhe oferecer, até que por conta de um acidente de moto, a dois anos, ficou paraplégico.

Louisa Clark tem 26 e trabalhou a vida toda no mesmo lugar, viveu no mesmo lugar, e morou na mesma velha casa com os pais, o avô doente, a irmã mais nova e seu sobrinho, até que ela fica desempregada.

Will acha que sua vida não vale mais a pena, e pretende acabar com isso através da eutanásia ( é como um suicídio através de injeção letal, que acontece geralmente em casos de doença e essas coisas ) .

Lou só quer um novo emprego para continuar sua simplória vida. 


Will acha que sua vida não vale mais a pena, e pretende acabar com isso através da eutanásia ( é como um suicídio através de injeção letal, que acontece geralmente em casos de doença e essas coisas )  e Lou só quer um novo emprego para continuar sua vida.

E é assim que suas vidas se encontram, quando a mãe de Will, em uma tentativa desesperada, contrata a divertida e desastrada Louisa Clark para trazer um pouco de animo em sua vida e fazê-lo mudar de ideia. Eis então, que, com um prazo apertado, Lou tem a missão de fazer Will mudar de ideia quanto a vida,  mas o quão pesado é ter o destino de alguém em suas mãos?


O livro é muito divertido e ao mesmo tempo muito real. Tem horas que a raiva sobe com tudo e fica presa na garganta ao sentir de perto as dificuldades na vida de um cadeirante, em outras é impossível não rir com as conversas e provocações entre os dois. A amizade construída a passos lentos durante a história é linda e envolvente demais, e os ensinamentos que vem são muito bem posicionados e colocados de uma forma bem simples.

Lou tem sua missão, mas vemos o tempo todo o quanto Will a ensina e acrescenta cada dia mais em sua vida e o quanto ela cresce durante o livro por sua causa. Juntos eles vão ensinando um ao outro um jeito de ver a vida com olhos totalmente diferentes. Lou o ensina a voltar a rir e viver apesar de tudo, enquanto Will a faz ter novas perspectivas sobre a própria vida e expandir seus horizontes.


 O livro me fez pensar muito sobre o quão ruim é viver em nossa zona de conforto e quanto nos podemos nos conformar com pouca coisa apenas porque alguém diz ou porque nada parece ser capaz de mudar, mas principalmente, me fez pensar muito sobre egoísmo, até que ponto você deve pensar nos outros até que isso se torne egoísmo com você mesmo? 

Esse livro veio para de fazer pensar em questões que você prefere esquecer, trazer a tona tabus e reverenciar a vida de um jeito nada convencional. 

E por mais que eu queira, acho que não posso dizer mais nada >.>


Trechos favoritos: 

"É só que o que não se pode compreender a respeito da maternidade, até que se tenha um filho, é que não é um adulto — o deselegante, barbado, fedorento, filho teimoso — que a mãe vê diante de si, com seus recibos de estacionamento, seus sapatos não engraxados e sua complicada vida sentimental. A mãe enxerga todas as pessoas que o filho já foi ao longo da vida reunidas em uma só."

"Existem horas normais e horas inúteis, nas quais o tempo para e escorre e a vida - a vida real - parece distante."

"Ninguém quer ouvir você falar que está com medo, ou com dor, ou apavorado [...]
Alguns erros...apenas têm consequências maiores que outros."

"Saber que você ainda tem possibilidades é um luxo. Saber que lhe dei algumas me dá certo alívio."

"Você só vive uma vez. É sua obrigação aproveitar a vida da melhor forma possível."


Alguém mais ai já leu o livro? Ansiosos pelo filme?

You Might Also Like

0 comentários

Flickr Images