Crescendo como Saumensch

Métrica

sábado, agosto 01, 2015 Julia Pinheiro 0 Comments


Métrica é o primeiro livro da Trilogia Slammed escrito pela tão conceituada Colleen Hoover publicado aqui no Brasil pela Galera Record em 2013. Eu amei esse formato de livro, é tão simples mas ao mesmo tempo tão lindo que da gosto de ler. Ele é bem menor do que a maioria dos livros e suas folhas tem uma qualidade bem superior também. Ótima margem, 299 páginas amareladas, dividido em duas partes e narrado em primeira pessoa pela protagonista Layken.


Mais um pequeno detalhe que amo nessa edição é que apesar de a capa ser preta as letras são em um tom diferente de vermelho, que é o mesmo da orelha. Achei isso muito legal, que fez toda a diferença da edição mas de um jeito muito sútil, mas o que fez todo o livro valer mesmo a pena foi a dedicatória para uma banda chamada The Avett Brothers, que se tornou uma das minhas bandas favoritas, depois inclusive vou fazer um post sobre eles. E o mais legal: todos os capítulos começam com um trecho da música que de alguma forma esta super bem relacionada com o capítulo. Amei isso.


A história começa com Layken, sua mãe, e seu irmão de 9 anos se mudando de sua tão amada casa no Texas, que não podem mais sustentar por conta da morte de seu pai há seis meses atrás que acarretou em uma queda muito grande no orçamento da família, e agora estavam a caminho de Michigan. Lake está nervosa quanto a se adaptar. Sempre amou o Texas. Mas não demora muito a começar a amar o Michigan por conta de seus novos vizinhos: um garoto pouco mais velho que ela, Will, e seu irmão de nove anos Caudler.


Logo seus irmãos se tornam melhores amigos, e Will e Layken começam a se aproximar demais, desenvolvendo uma grande ligação em poucos dias, mas tudo muda em seu primeiro dia de aula, quando ao entrar para sua aula sobre poesia se depara com seu novo professor que não é nada mais nada menos do que seu vizinho e namorado Will. Forçado a se separarem e ainda assim conviver todos os dias, por conta da escola e de seus irmãos, eles tem que enfrentar todo o desejo de estarem juntos e todas as situações problemas que agora unem as duas famílias.


Eu nunca sei muito bem como resenhar livros de romance, até porque não é o tipo de livro que eu gosto de ler, na verdade, se soubesse sobre o que é não teria nem comprado, mas me surpreendeu se tornando uma leitura leve e prazerosa cheia de reflexões. A história é isso mesmo que aprece: um grande clichê. Lake só tem cabeça para Will e eu não gosto disso. Quer dizer, ela estava com tantos problemas, estava em uma escola nova, tinha feito uma grande amiga, e mesmo assim ela só conseguia pensar nesse garoto que ela passou uma semana só junto. Ela não é o tipo de personagem com personalidade forte que gosto, ela se deixa levar muito fácil, mas isso me irritou menos do que eu pensei.


Por mais que o enredo não favoreça minha preferencia a história é muito bem escrita e sem querer ( sem eu querer mesmo ) acabei me apegando aos personagens que são muito bem construídos. Todos eles. Os irmãos, os amigos, a mãe de Lake, tudo e todos. E por mais que eu não goste de demonstrações públicas de afeto - como serenatas e essas coisas - o livro envolve uma coisa que eu amo e que nem sabia que tinha um nome próprio, chamado slam. Não sei explicar então deixo aqui o link para a minha apresentação favorita.

Se eu começar a falar muito, eu mesma vou começar a pensar que não gostei, porque tudo é bem previsível, mas na verdade é bem legal e os personagens deixam saudade. Só digo para quem gosta de romance: leiam. E mais, se puder, leiam ao som das músicas citadas nos capítulos. Eu nunca tive esse costume mas valeu a pena durante a leitura desse livro.





Trechos favoritos:

"Compreendo porque tivemos de fazer isso, mas compreender uma situação nem sempre facilita as coisas."

"Não foi a morte que deu um murro em você, Layken. Foi a vida. A vida acontece. Merda acontece. E acontece com muito. Com muita gente. "

"Olho para todas as casas ao longo da rua. Todas são tão parecidas que é inevitável ficar pensando nas diferenças de cada uma dessas famílias. Será que tem alguém escondendo segredos? Alguém apaixonado? Ou desapaixonado. Será que são felizes? Tristes? Será que estão com medo? Falidos? Carentes? Será que dão valor ao que têm? [...] Porque tudo isso, toda ínfima parte, tudo é passageiro. Nada é permanente. A única coisa que todos temos em comum é o inevitável: todos morremos um dia."

"Amplie seus limites, Lake. É para isso que eles existem."

"Não dá para fugir para outra cidade, outro lugar, outro estado. A coisa de que a pessoa está fugindo, seja ela qual for, vai junto com ela. E fica com ela até a pessoa descobrir uma maneira de confrontá-la."

"[...] Eles me ensinaram a encontrar aquele sentimento de sentir novamente. "

"[...] Ela me ensinou a respeitar a sorte que me foi dada. E a ter gratidão por ao menos ter recebida alguma."

"[...] E ele me ensinou que a coisa mais importante de todas...É enfatizar a vida."

"A vida quer que você lute. Que aprenda a fazer uma vida só sua."

"[...] É quando você para de pensar na morte da pessoa e passa a se lembrar de todas as coisas maravilhosas a respeito da vida dela."

"Escolham suas batalhas, mas não escolham muitas."


Espero que tenha dado para perceber que apesar de tudo minha resenha foi positiva e aguardem até o post de introdução aos Avett Brothers, essa banda maravilhosa que todos deviam conhecer <3

You Might Also Like

0 comentários

Flickr Images